rotaroots

Adoção consciente e Guarda Responsável

15 outubro, 2014

Thomas e Marie

Quem me segue em alguma rede social já tem uma boa noção que amo gatos. Não é por pouco que até pessoas que mal conheço me mandam qualquer link de gatos internet a fora, sou crazy cat lady com orgulho. Também amo cachorros, já tive alguns, e na casa da minha mãe atualmente tem dois, mas gatos combinam mais com meu estilo (preguiçoso) de vida.

Na vida já tive vários gatos e cachorros, atualmente tenho dois, os primeiros que crio sozinha, e os dois adotados.

Peguei o Thomas com dois meses quando morava com meu ex, logo em seguida terminamos e Thomas foi morar comigo, super grudado em mim. Thomas e seus irmãos tinham sido abandonados recém nascidos e nunca mamaram na mãe. Uma protetora de animais da cidade estava cuidando deles em uma casa só dos gatos, tinham dois ainda quando fomos ver: Thomas e seu irmão. Na hora de escolher um não foi difícil. Enquanto seu irmão não parava de brincar com um gato maior, Thomas quietinho no nosso colo. No mesmo dia levamos aquele magrelo barrigudo pra casa, uns dois meses depois mudei e ficamos só nós dois. Não é por pouco que ele é grudado em mim e tem ciúme, haha.

A Marie eu adotei de uma conhecida que não podia mais ficar com a gata porque a mãe não queria. Marie tinha 5 meses, albina e surda, e com personalidade forte (lê-se gosta de subir em cima de tudo que der e não der, derrubar e quebrar coisas). Foi um desafio novo, nunca tinha tido um bicho surdo, mas em alguns meses deu pra sentir uma grande diferença na bichinha. Aquela gata que não deixava ninguém chegar perto agora pede carinho pra quem entrar na porta. Continua subindo em cima de tudo, derrubando e quebrando coisas, e sendo a gata mais louca que vi na minha vida. Mas é a minha gata dela. E só de pensar o que podia ter acontecido com ela se fosse pra mão de outra pessoa que só queria um bicho bonito (branca, peluda, de olho azul, todo mundo se apaixona).

E ter bicho é isso, é responsabilidade, é assumir.
Não querer porque é bonito. Dar pra alguém quando cansar da bagunça sem tentar ensinar nada. Dar um fim se ficar doente porque não quer gastar dinheiro com isso e dá muito trabalho. Abandonar em algum lugar longe quando ficar velho. Abandonar quando tiver filhos.

Além de ser a favor da adoção sou grande entusiasta da castração. São mil motivos pra você querer fazer isso com seu bicho, seja gato, cachorro, fêmea, macho.
O bicho no cio foge. Se preso, fica super estressado e nervoso. Se engravida, boa parte desses filhotes são abandonados. Fora toda a parte de doenças que o bicho adquire por conta de não ser castrado, cio, ter filhotes, etc. Tenho meus dois castrados desde filhotes, e ajudou muito a ter bichinhos comportados que não fogem.
Já morei em casa e deixava eles passear, e todo ano levo eles pra casa da minha mãe, onde eles ficam soltos passeando livremente, sem fugir.

Entendo quem compra bicho de raça, porque assim você consegue prever qual o tamanho, personalidade, possíveis doenças (apesar de que os sem raça tem um número bem menor de doenças genéticas), mas a adoção é importante, e principalmente a guarda responsável. Independente de como você terá seu bichinho, lembre-se que não é um brinquedo, e sim uma vida pra ser cuidada e amada.

E caso você não queira adotar, você pode ajudar os bichinhos. Doe, leve alimentos, participe de eventos que promovam a adoção e cuidado de animais abandonados.
Patinhas são amor <3

Esta blogagem coletiva faz parte do projeto Abraçando Patinhas, uma iniciativa do Rotaroots em parceria com a marca de ração Max – da fabricante Total Alimentos. Esta iniciativa reverterá na doação de 1 tonelada de ração para a ABEAC, ONG responsável pelo bem estar de cerca de 1100 cães. Saiba mais sobre o projeto no site do Abraçando Patinhas ou participando do grupo do Rotaroots no Facebook.

You Might Also Like

4 Comments

  • Reply Malu Cordeiro 24 outubro, 2014 at 12:55

    Que buni!!! Deveriam ter mais pessoas assim como nós, amantes dos animais!! O respeito para com o ser vivo, seja qual for, é o respeito com nosso selvagem, nosso interior mais animal! :) Proteção do meio ambiente pra proteger nossa própria vida! :)
    Amo meu Mimimi também! :3
    Beijo Paulete… Lindo texto!!! :*

  • Reply Mariana 24 outubro, 2014 at 23:52

    Coisa linda demais! Não faltam casos de gente que adota um bicho “porque é bonitinho” e depois abandona porque cresceu ou porque é bagunceiro. Bicho não é brinquedo! E você é linda por dentro e por fora.

  • Leave a Reply

    CommentLuv badge

    %d blogueiros gostam disto: