links

Links da semana #3

26 agosto, 2015
witchoria.com

Um pouco do que vi por aí essa semana.

  • O instagram da Victoria Siemer, onde ela reimagina xícaras de oceanos e galáxias – Wired
  • O projeto ‘Word Rocks‘ que espalha palavras positivas pelo mundo através de pedras escritas – Follow the Colours
  • O blog do aplicativo favorito dos instagramers, VSCOCAM, tá cheio de inspirações maravilhosas – journal
  • Uma marca de lingeries lindas, e feminista <3 – toru & naoko
  • Semana passada fui no show da Banda Mais Bonita da Cidade <3 e eles estão com um financiamento coletivo pra embolachar o DVD, vamos ajudar? – Embolacha
  • E falando em financiamento coletivo, o Beaba criou um livro ilustrado pra ajudar crianças e familiares com câncer a entender esse universo. Mas pra sair precisa da gente – Kickante
viagens

Buenos Aires – Dia 4

13 agosto, 2015
El Ateneo

No último Ano Novo fiz a minha primeira viagem internacional, e o destino escolhido foi Buenos Aires. Eu, meu melhor amigo e minha irmã mais velha fechamos um pacote com agência no final de novembro, de 5 dias e 4 noites com passagem, hotel, traslado e city tour incluso. Demorou um pouco, mas vou contar dessa minha experiência pra vocês. Veja também: Dia 1 / Dia 2 / Dia 3 / Dia 4.

Nosso penúltimo da viagem começou com a gente acordando tarde por ter ido dormir tão exaustos que esquecemos de ligar o alarme. Aproveitamos pra pular o café da manhã no hotel e ir a maravilhosa Pani comer. Nós fomos no café anexado a Galerías Pazcífico, que era pertinho do hotel, mas você também encontra uma no Recoleta Mall, e outra em Palermo. Além do ambiente lindamente decorado, tem várias opções de comidas no estilo café da manhã, além das bebidas, tudo muito delicioso. Comi um omelete recheado com torrada, e tomei um café mocca com doce de leite.

Café da manhã na Pani - fui de ovos e torrada

Café da manhã na Pani – fui de ovos e torrada

Além do café aproveitamos pra conhecer a Galerías Pazcífico, um dos shoppings mais populares da cidade. Em questão de compras estava bem fora do meu alcance, pois a maioria são lojas caras de marcas importadas, e muitas vezes você vai encontrar preços melhores em outros lugares. Mas vale a visita pelo lindo prédio de arquitetura antiga, com colunas e murais no teto. O prédio, que é monumento histórico declarado, tem uma cúpula pintada por renomados pintores argentinos, e é a coisa mais linda de se ver. Quando fui ainda tinha uma linda árvore de natal repleta de cristais Swarovski (que também tem loja no shopping), um luxo só.

De lá fomos andando até a Recoleta pra um dos lugares mais esperados por euzinha, El Ateneo Grand Splendid! Pra quem não conhece, o Ateneo é uma livraria maravilhosa (a segunda mais bonita do mundo, segundo o The Guardian), ela fica no antigo teatro Grand Splendid com quatro andares cheio de livros. O Ateneo também tem no teto uma obra do artista Nazareno Orlando, e no “palco” fica o café, pra você sentar e ler um livro enquanto toma algo.

El Ateneo Grand Splandid

El Ateneo Grand Splandid

Em Buenos Aires tem uma variedade enorme de livrarias, e lá os livros são muito baratos. Eu que achei que não ia comprar nada, saí de lá gastando horrores (e também levando muita coisa). Ainda bem que não sei espanhol e me poupei das literaturas, mas comprei calendário de parede, calendário de mesa do maravilhoso Liniers, cadernos e agendas de preencher, e vários livros ilustrados. Saí de lá a pessoa mais feliz.

Essa sou eu me controlando na livraria A photo posted by Paula Cipriani (@paulacipriani) on

A essa altura já passava da hora do almoço, e fomos até o Recoleta Mall pra comer. Paramos no restaurante italiano La Strada e fomos todos de risoto, eu que ainda não estava com muita fome pelo café da manhã tardio, mal dei conta do meu risoto de frutos do mar, fora a salada que comemos antes. Mas a comida era deliciosa, quem tiver a fim de um risoto riqueza, pode anotar esse na lista.

Caprese do amor

Caprese do amor

Saindo de lá enquanto o Gio visitava o Cemitério da Recoleta (que é do lado do shopping) eu e minha irmã fomos no Centro Cultural Recoleta (também logo ao lado), que é um espaço aberto com diversas exposições de artes. Ali também tem vários cafés, restaurantes e lojas (é ali que fica o Hard Rock Cafe que falei no post anterior). A entrada é franca e o espaço é enooorme, tem muita coisa linda. E na rua na frente ainda tem a notória Feira de Artesanato da Recoleta, que acontece nos finais de semana e feriados das 11h às 20h.

Depois de voltar pro hotel e descansar um pouco, resolvemos nos produzir e sair pra nossa última noite na cidade. Fomos rumo a Palermo, o bairro mais badalado e cool de Buenos Aires. A noite as ruas estão cheias de pessoas nos bares, tem ruas enormes que praticamente só tem restaurantes e bares, o que não falta é opção. Tentamos ir num restaurante que achamos indicação na internet mas estava fechado, então andamos pela rua e entramos no que mais nos pareceu agradável.

O Basta Pablo era lindo de fora, mas lá dentro o atendimento foi bem ruinzinho, o pior que tivemos na viagem. Demoravam pra vir, demoravam pra trazer as coisas, e nem era aquilo tudo. Como durante a viagem sofremos muito com os pratos grandes de comida resolvemos pedir uma porção de petiscos variados que dizia ser para duas pessoas. Na lógica pensamos: deve dar pra três pessoas, e se não der pedimos mais algumas coisas. Na hora que começou a chegar a comida, o susto! Aquilo dava pra umas 5 pessoas, no mínimo. Era muita, mas muita comida. Ela não era ruim não, estava boa. Tristeza foi ir embora com um tantão de comida sobrando.

Falaram que esse prato é pra duas pessoas (e nem tá tudo aí)

A photo posted by Paula Cipriani (@paulacipriani) on

viagens

Buenos Aires – Dia 3

5 agosto, 2015
Caminito - La Boca

No último Ano Novo fiz a minha primeira viagem internacional, e o destino escolhido foi Buenos Aires. Eu, meu melhor amigo e minha irmã mais velha fechamos um pacote com agência no final de novembro, de 5 dias e 4 noites com passagem, hotel, traslado e city tour incluso. Demorou um pouco, mas vou contar dessa minha experiência pra vocês. Veja também: Dia 1 / Dia 2 / Dia 3 / Dia 4.

Café da manhã do Hotel Waldorf

Café da manhã do Hotel Waldorf

 

Nosso terceiro dia em Buenos Aires começou com um city tour que estava incluso no pacote de viagens. Acordamos cedo pra esperar o transporte no hotel, e com uma moça falando espanhol, português e inglês seguimos para o passeio. Ele se iniciava indo para a Plaza de Mayo, onde fizemos nossa primeira parada, que não foi muita novidade pra gente que já tinha feito esse passeio. Depois disso fizemos um tour pelos principais bairros de Buenos Aires, com direito a história da cidade, curiosidades, e também dicas de passeio.

 

 

A segunda parada que foi interessante pra gente: Caminito! Estava no nosso roteiro, mas sabíamos que seria um passeio rápido, e era bem longe de tudo que planejávamos visitar, então foi uma surpresa agradável. E o Caminito é tudo aquilo que se diz mesmo: lindo, porém é só pra bater fotos. Abarrotado de turistas, mal conseguíamos andar pelas ruas direito, quem dirá tirar fotos legais. E nós que achamos que veríamos tango nas ruas, só vimos dançarinos vestidos, pedindo pra tirarmos fotos com eles fazendo poses (não sem pagar uma taxa, claro).

 

 

Antigamente o Caminito não era popular, e sim uma parte pobre da cidade, onde moravam os imigrantes italianos que vieram trabalhar no porto, que na época ficava em La Boca. O estilo das casas, uma em cima da outra, mostra muito isso. O local se popularizou nos tempos mais atuais, virando uma atração turística clássica de quem visita a capital porteña. Todos querem conhecer essas ruas coloridas. Caso você queira muito ir, ou vá visitar o estádio do Boca (coisa que nós dispensamos), vá. Se for na correria, deixe o passeio pra outra hora. Não vale a viagem.

 

Juan

A photo posted by Paula Cipriani (@paulacipriani) on

 

Na volta o passeio passou de novo pelos bairros, e por alguns pontos turísticos, como a Floralis Generica, que estava parada devido a consertos (antes ela abria e fechava as pétalas conforme a posição do sol), várias universidades da cidade (curiosidade: lá cada curso tem o seu prédio próprio), seguidos de mais explicações. Resolvemos parar na Florida, trocar mais dólares, e almoçar correndo no McDonalds (sim, é a mesma coisa).

 

 

Depois de irmos pro hotel dar uma recarregada nas baterias, literalmente, pegamos um táxi até o Jardin Japones, que era o local mais longe do nosso passeio. O Jardin foi construído para a visita do atual imperador do Japão na cidade, e funciona hoje como um local público para passeio (mas a entrada é paga, para manutenção do local). Ele fica no bairro de Palermo, é cheio de verde, árvores, lagos, pontes, tudo cheio de símbolos e significados, inspirados claro, na cultura japonesa. Tem até a lindíssima Sakura por lá.

 

 

Além do passeio agradável, lá dentro tem uma lojinha (onde eu gastei horrores em penduricalhos), um restaurante (que não cheguei a ir), um quiosque de guloseimas e lembranças também, e o centro administrativo. Cheguei até a fazer o meu nome em japonês (não existe a letra L no alfabeto japonês, então meu nome fica Paura haha), mas eu não sei onde guardei :'(

 

 

Depois disso aproveitamos que estávamos super perto do MALBA e fomos andando até lá, aproveitando o passeio pela Avenida Presidente Figueroa Alcorta, que é cheia de prédios lindos e alguns parques.

 

Juan

A photo posted by Paula Cipriani (@paulacipriani) on

 

Buenos Aires é cheia de museus, o MALBA (Museu de Arte Latino-Americana de Buenos Aires) é um dos maiores, e o único que visitamos. Ele conta com algumas aquisições maravilhosas, que eu fiquei emocionada de ver ao vivo, das mais marcantes: Frida Kahlo, Tarsila do Amaral, Fernando Botero e Diego Rivera.

 

 

Além dos fixos o museu sempre tem exposições variadas acontecendo, e uma arquitetura maravilhosa. Vale a visita mesmo que estiver vazio, haha. No site do museu tem todas as informações e agenda de exposições.

 

 

Dali partimos pro Cemitério da Recoleta, ou tentamos. Até chegamos, mas depois de muito nos perder, sem nunca pedir informação pois somos turistas orgulhosos! Com o mapinha na mão andando de Palermo até a Recoleta, aproveitando a vista, perdendo o caminho 20x, encontrando muitos parques lindos pelo caminho, chegamos no cemitério e já estava fechado!

 

 

Contemos as lágrimas e fomos no Hard Rock Cafe comer. Taí um dos lugares que mais gostei de comer na cidade, hahaha. Me lembrou muito o Outback (no atendimento e estilo), ambiente ótimo, música boa (às vezes tem banda ao vivo, mas não quando fomos), chopp e comida boa demais! Pedimos um combinado das entradas e saímos de lá super satisfeitos.
Partimos pra achar um táxi, exaustos de tanto andar. A ideia era pegar uma balada mais tarde, mas, dormimos! haha.